O Câncer na Infância

Câncer na infância é uma doença rara: entre 80 a 100 casos novos são diagnosticados anualmente em nossa região.

Apesar de o número de casos ser, relativamente, pequeno, trata-se de uma doença, muitas vezes fatal, sendo a terceira causa de morte entre um e 15 anos de idade no Brasil. Em algumas regiões, corresponde à segunda causa de morte, perdendo apenas para causas acidentais (acidentes domésticos, trânsito). A incidência vem aumentando desde a década de 1970 (6,1 % em 15 anos). Mas a qualidade do tratamento mudou muito, tendo conseguido reduzir em cerca de 35 % a taxa de mortalidade. Atualmente, a taxa de cura geral atinge 70%.

O câncer infantil é muito diferente da doença no adulto.

As diferenças são marcantes em todos os aspectos como, por exemplo, o tipo e a natureza de doença, o tecido (órgão) envolvido, a distribuição, o tratamento e o prognóstico. Na infância, os tipos mais freqüentes são as leucemias agudas, os tumores do sistema nervoso e os sarcomas – esse último, um tumor, geralmente, de alta malignidade, constituído de tecido semelhante ao conjuntivo embrionário; podendo acometer osso, músculos, cartilagem etc. Já nos adultos são mais frequentes os carcinomas (tumorres malignos constituídos por células epiteliais, com tendência a invadir as estruturas próximas e a produzir metástase) e as leucemias (doença maligna dos órgãos hematopoéticos).

Causas

A causa do câncer na criança é, na maioria das vezes, desconhecida, sendo mais provável que a doença esteja relacionada a causas genéticas (internas). As causas ambientais (externas) parecem ter importância secundária, uma vez que é mais comum o aparecimento de tumores em tecidos não expostos a fatores externos. Alguns fatores ambientais que podem colaborar com o aparecimento de câncer são: radiação ionizada (por exemplo, na explosão de bombas atômicas), radiação ultravioleta (exposição excessiva a raios solares), algumas drogas (agentes imunossupressivos, esteroides anabólicos a androgênios, quimioterápicos), alguns tipos de vírus como o vírus da hepatite B ou hepatite C e o vírus Epstein-Barr.

Fatores relacionados ao paciente também podem ser detectados.

Oncogenes: Proto-oncogenes são genes normalmente encontrados nas células, responsáveis pela regulação e estimulação da divisão celular. Em determinadas situações e estímulos eles podem desencadear o processo tumoral, tornando-se oncogenes (genes que desencadeiam o câncer).

Genes supressores de tumor:

Genes que também regulam a divisão celular, inibindo-a. A inativação destes genes pode desencadear o processo carcinogênico.

Doenças genéticas:

Doença de Fanconi, Síndrome de Bloom.

A maioria dos casos de câncer infantil tem cura, porém, tudo depende do tipo de tumor, extensão e indicação adequada do tratamento. Os sintomas são variados, o que, quase sempre, podem causar confusões para o seu diagnóstico. O pediatra deve estar sempre atento para evolução não usual de doenças comuns da infância.

Tratamento

O tratamento varia conforme a doença, com QUIMIOTERAPIA, CIRURGIA E RADIOTERAPIA.

Cada modalidade tem o seu papel e a sua importância. Por ser uma doença rara e que necessita de tecnologia específica e sofisticada para o diagnostico, o tratamento e a posterior monitorização dos efeitos tardios, é extremamente importante que TODAS as crianças com câncer sejam tratadas em um centro especializado. Nesses serviços são seguidos protocolos – procedimentos – nacionais e internacionais, que fornecem dados fundamentais para melhor se conhecer e tratar os pacientes, além de abordagem multidisciplinar. Somente assim, será assegurada a chance de cura, com o mínimo de efeitos colaterais.

Perspectiva Futura

Apesar de excelentes resultados no tratamento das neoplasias – câncer – com diminuição drástica das taxas de mortalidade, os efeitos tardios da própria terapia, associados ao péssimo prognóstico em alguns tipos de câncer, ainda demandam estudos clínicos.

Veja mais Informações sobre Doenças

Ajude nossas crianças e jovens
a realizarem os seus sonhos.

Doações:(12) 98181-0123